A alimentação é um dos fatores comportamentais que mais influencia nossa qualidade de vida. Ao longo da história, a dieta do ser humano mudou muito rapidamente e esta evolução não foi assimilada por nossa carga genética que, por conseqüência, não conseguiu adequar-se a estes novos costumes.

A qualidade da alimentação atual nos tem causado problemas funcionais, já que ingerimos e inalamos uma grande quantidade de substâncias estranhas ao mesmo tempo em que sofremos de carências nutricionais. Os nutrientes presentes nos alimentos são essenciais para a formação, manutenção e reestruturação das células que compõem nosso organismo.

A simples ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão disponíveis para serem utilizados pelas células. Para que isso realmente ocorra, é fundamental que, além da quantidade e qualidade da refeição, também existam condições favoráveis para o alimento ser quebrado, seus nutrientes absorvidos, transportados e aproveitados. Também é necessário que metabólitos e substâncias tóxicas sejam eficientemente excretados.

O papel da nutrição equilibrada é indispensável, mas hoje, insuficiente, visto que cada indivíduo reage aos alimentos de forma diferente (o que é saudável para um, pode não ser para o outro). A nutrição clínica funcional busca relacionar os alimentos à prevenção e ao tratamento de doenças em cada indivíduo, utilizando nutrientes adequados para o equilíbrio geral de cada organismo.